Quando a Renault é um avião

Credito: Edy Fernandes

Quando a Renault é um avião

Ex jornalista, empresária e BBB ou BBB, empresária e jornalista? O importante nesta linda mulher, mineira convicta e orgulhosa, é que seu céu estrelado é o limite. Ainda mais sendo este avião a jato. Seu futuro próximo e perfeito, pelo que descobrimos, "ma non troppo", é a TV. Ela se confessa feliz, mas comilona se está triste ou brava. E bota brava nisso! Com vocês, Ana Paula Renault.

Você emagreceu, era mais fofinha... 
Eu oscilo de peso. Sou uma mulher normal. A gente fica brava, come. A gente fica triste, come. Aí vai e emagrece.

Profissionalmente, "que pasa"? 
Estamos com propostas de televisão aberta e televisão fechada. E logo, logo vocês vão saber as novidades.

Conta aqui. 
Não dá. Porque tem que sair contrato, patrocínio, um tanto de coisa. Mas estamos indo.

E os namorados? 
Um em cada estado, um em cada cidade. Brincadeira. Não tenho.

Você terceirizou o sexo?
Terceirizar? Não. Eu sou uma tia que gosta da "atividade física".

Eu dei um giro por aí no verão e a moda agora é amor esportivo. Qual o seu conceito de amor esportivo? 

Ué, mas é amor por esporte? Tem que ser por sentimento. Sou muito emocional. Quem assistiu o programa, sabe.

Mas retomando aqui. Profissionalmente você busca parcerias?
Tenho as portas abertas na Globo que me descobriu. Mas tem TVs fechadas em contato e também outras abertas. Estamos vendo o que melhor encaixa com a minha personalidade, perfil e público.

Te conheço há muitos anos. Como foi seu processo de crescimento, a partir do Big Brother. Você se afetou? 
Não, continuo a mesma pessoa, priorizando Belo Horizonte e Minas.

Mas o assédio não te afeta, não? 

Às vezes fica um pouco complicado, mas é sinal de que deu certo. Então, só tenho que agradecer e a tendência, se Deus quiser, é só aumentar. Vamos fazer sucesso e na televisão.

O cachê tá caro?
Tá o mesmo preço que era. Então, não tá barato, não.

Televisão dá dinheiro?
Tem muito merchandising, contratam para presença VIP, para representação de marcas. E, agora, assinando o contrato, tem um bom salário.€

Belo Horizonte, São Paulo ou Rio?

Ah, eu continuo aqui. Mas, esse ano, em dois meses, fiquei só cinco dias em BH.

E entre o mineiro, o paulista e o carioca? 
Mineiro. Sou bairrista. São mais dóceis, afáveis e amáveis.

Os outros são o que? Focados em business?
Acho que tem muito dessa de business, muito de correr atrás. Não que seja errado, mas o pessoal de Minas é mais familiar. Prezo muito isso.

A gente viu o episódio de Vitória no Espírito Santo. A falta de ética e de moral que, independente de classe social, arromba, assalta. O que você acha?
Sou muito otimista e tenho muita esperança no povo brasileiro, que tem garra, faz de tudo e não tem medo. Acho que foram casos isolados. Ainda acredito que a grande maioria é composta por pessoas boas.

Pra fechar, João Dória, Aécio Neves ou Luiz Inácio Lula da Silva?

Prefiro não opinar porque a gente não discute nem futebol e nem política.