Paulo Navarro | segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

A bela e competente médica Maitê Leite, em noite de vinho e sushi, no Udon Belvedere

Foto: Paulo Navarro

Volta às aulas 

Em tempo de “volta às aulas”, a paisagem urbana de Belo horizonte destaca nossa gente bronzeada “degustando” momentos finais de dias de ócio. Trânsito ainda ameno e tardes esticadas dado ao horário de verão induzem para reencontro de chegados em mesas de bares. Entre um chope gelado, uma taça de champa, de spritz ou de gim-tônica, bebida da moda, a confraternização em meio à leitura de selfies clicadas praias afora, molduram momentos.

Transpirando sensualidade 

Atrás dos modelitos casuais e despojados, as belas expõem seu bronzeado adquirido nos Trancosos da vida sobre delicadas tatuagens. Isto quando não estão desfilando glamourosamente de chinelinho em direção a uma sorveteria ou pâtisserie na Avenida Niemayer, outrora 6 Pistas.

Fazendo gênero 

A “lambidinha” também pode ser em Lourdes ou até mesmo na Savassi. Flanando aqui ou acolá, o estilo das moças também varia: do blasé ao modelito “ver e ser visto”, vale tudo, inclusive rosto fake.

Paisagem urbana 

O verão é democrático, exclui excessos e ostentações de guarda-roupa, inclusive dos moçoilos no melhor estilo “tarlinha”, ou seja, corpo de Tarzan e cabeça de galinha. Bacana constatar que, como nas cidades portuárias, os trajes esportivos também ganham ruas e, sem constrangimento, são vistos em bares, supermercados, drogarias.

Vida que segue 

Bem, amanhã outro dia, luz do sol, luz do dia. Virada do mês! Dia de retornar à academia para queimar as gordurinhas, de retocar o botox, de levar as crianças à escola e dos maridões trocarem a bermuda pelo raio do terninho e voltarem à labuta em meio a este calor senegalês em um engarrafamento de trânsito do antigo cotidiano.

Curtas & finas

* O atendimento em Belo Horizonte tem deixado muito a desejar. Seja em casas lotéricas, restaurantes, lanchonetes ou estacionamentos, nenhum prestador de serviço está 100% disponível para satisfazer o cliente.

Estão sempre entretidos com celulares e outras distrações do dia a dia. E falta também cordialidade. Um bom dia ou boa tarde bem-ditos estão deveras esquecidos no tempo.

Quando da Copa do Mundo, o Senac ofereceu qualificação profissional, mas a procura foi pequena, pois as pessoas encaram o trabalho de garçom, manobrista, entre outros como bicos, como ocupações momentâneas.

Apenas uma maneira de ganhar dinheiro até encontrar a profissão ideal.

Não à toa, quando surgem empresas como Uber, causam tanta polêmica. Chegam com serviço diferenciado, carros limpos, motoristas educados e a vantagem do preço reduzido.

* Já chega a 200 mil visualizações o vídeo em que o governador Romeu Zema mostra os quadros com as fotos de Fernando Pimentel e determina que em seu governo tal vaidade não irá existir.

* Mineiros e nossos rios choram mais uma vez pelo pouco caso com nossas nascentes e raízes.