Paulo Navarro | sábado, 22 de setembro de 2018

Foto: Edy Fernandes


Ouça um bom conselho

Dizem que, se conselho fosse bom, não seria de graça. Conselhos ruins são de graça, infinitos e muitas vezes inúteis. Conselhos, principalmente jurídicos e bem baseados, são bastante valiosos. É justamente a área do advogado Marcello Ribas Lyra. Seu trabalho é um filtro das toneladas de informações que recebemos diariamente. Ouvir bons e sábios conselhos evitam mil gigantescos problemas.


Marcello, filosoficamente, nada é preto ou branco, mas na prática, nas leis, existe o certo ou errado?

A Lei, teoricamente, é certa, representa o que é proibido. Se não está escrito, significa que pode ser feito. Porém, hoje em dia, devido ao excesso de informações, não se consegue deglutir essa carga, provocando um sentimento de quanto mais se sabe menos seguro se sente.

Como obter a melhor resposta, ajuda? Com um counseling? Um “conselheiro” faz a diferença?

Aconselhamento não tem sua estrutura somente na Lei. A melhor resposta será sempre a que se adequar à percepção do todo. Se as pessoas se permitissem aderir ao counseling, evitariam mais de 70% dos problemas em suas vidas. O conceito está na simplicidade e em reconhecer a necessidade de receber um direcionamento.

Nascer em BH e ser criado no Rio colaborou para a vida profissional, além da pessoal? 

A cultura carioca ainda é polêmica para os mineiros, embora esses se sintam bem à vontade quando visitam o Rio. Nos idos de 1980, a diferença ainda era grande, considerando a agitação do carioca e a mansidão dos mineiros. Daí, surgiu o equilíbrio para a prática do counseling. Um pouco de cada um.

Nas questões pessoais, família, religião, também fundamentais?

Hoje, até mais que no passado, a família cria laços e constrói exemplos de vida e a religião traz conceitos de leis divinas que no fundo passaram a ter um peso muito importante na tomada de decisões fortalecendo a convicção.

Voltando ao counseling e o Direito... 

Cada vez mais o Direito vem exigindo a presença do counseling onde se verifica a criação de campanhas de conciliação, mediação e arbitragem. A primeira tem foco na recuperação do diálogo, a segunda busca uma solução alternativa e a terceira quando o resultado amigável fracassa.

Mundo corporativo X profissional liberal. Luta ou harmonia? 

Com certeza o primeiro se identifica na luta e o segundo em plena harmonia, mas sempre existirá o conflito de um querer o lugar do outro.

E o direito no dia a dia dos cidadãos, alcançável, possível? 

Sou a favor da implantação de aulas conceituais sobre Direito Constitucional e Civil desde a metade do ensino fundamental. Isso vai gerar mais conhecimento básico e cultural ao brasileiro que, em muitos casos, é totalmente carente do conceito direitos x deveres.

Qual o caminho para o futuro do Direito? 

Em uma palavra: diálogo. Mas, na sua falta, o aconselhamento é o melhor caminho para se chegar ao diálogo. Essa cultura já é uma tendência internacional.