Para a terra do sol nascente

Para a terra do sol nascente

Com uma carreira de sucesso, nosso entrevistado da semana, Wilson Nélio Brumer, tem muito orgulho de sua carreira profissional. Mas seu maior orgulho atualmente é ser Cônsul Geral Honorário do Japão e, neste final de semana, realiza a 6ª edição do Festival do Japão no Expominas.

1.Dr. Brumer, fale um pouco sobre sua carreira?

Tenho muito orgulho em dizer que a primeira função foi em um posto de gasolina, como frentista. Depois fui para a Companhia Vale do Rio Doce chegando à presidente da empresa. Fui presidente também da então Acesita. Assumi a Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais, durante o Governo Aécio Neves. Retornei à iniciativa privada, participando de conselhos de administração de algumas empresas. Em 2010, fui convidado a assumir a presidência  executiva da Usiminas. Hoje sou presidente dos conselhos da Direcional Engenharia, Medabil e participo de outros Conselhos de Administração.

2.Como o senhor chegou ao posto de Cônsul Geral Honorário do Japão em Belo Horizonte?

Tenho a honra de substituir o Dr. Rinaldo Campos que exerceu esta função durante muitos anos. Acredito que a escolha se deve à minha relação com órgãos governamentais e empresas japonesas, sejam elas industriais ou financeiras.

3.Este final de semana está acontecendo a 6ª EDIÇÃO DO FESTIVAL DO JAPÃO. Qual o objetivo do festival?

O principal objetivo do Festival é difundir a diversidade da cultura japonesa, o intercâmbio social e cultural entre Belo Horizonte e o Japão. Gosto de comparar a cultura mineira com a japonesa que, a meu ver são muito similares. Além disto, o Festival recebe visitantes e empresários de outros Estados, proporcionando oportunidade de geração de negócios.

4.O que vocês preparam para esta festa?
Preparamos três dias de programação, com diversas novidades. Neste ano os espaços estão mais interativos, para que os visitantes tenham uma experiência mais próxima da cultura. Para o palco trouxemos o Grupo Shoko Ryu, uma dança com espadas vindo de São Paulo, além de dois diferentes estilos de Taiko, tambores japoneses. Teremos as atrações já tradicionais no evento, como a Cerimônia do Chá  com experimentação do chá verde em pó, a exposição dos arranjos florais, as oficinas com inscrições gratuitas, dentre outras atrações.

6.Teremos surpresas?
Este ano utilizamos a temática da diversidade da culinária japonesa, tombada pela Unesco como patrimônio imaterial da humanidade em 2013. No Festival, vamos representá-la por meio de várias atividades, como workshops com Shin Koike, Embaixador da Difusão da Culinária Japonesa para o exterior. Também será ministrada palestra com degustação de Sakê, pela sommelier de sakê, Yasmin Yonashiro. Haverá ainda uma exposição de réplicas de pratos típicos originais, que chegam a enganar os olhos dos visitantes tamanha a perfeição.