Paulo Navarro | segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

O mestre Amaury Jr., em um de seus rasantes por Beagá

Foto: Edy Fernandes

Amaury voltou! 

Que o Brasil e o mundo são outros todo mundo vê e ninguém nega. Agora, se com as mesmas foram-se os bons tempos de glamour e festas, reverência a quem é autoridade no assunto: Amaury Jr. Sem acordo de renovação com a Band, ameaçou jogar a toalha, dar um “bye-bye” ao Brasil e encarar novos desafios em comunicação em Orlando, na Flórida. Decisão essa que não durou muitos dias e que foi recolocada com o anúncio de que o seu programa estará de volta, uma vez por semana, na Rede TV.

Mucho glamour 

Decerto, entre uma decisão e outra, o desabafo à revista “Época”, retratando o desânimo com um mercado em que foi pioneiro: o do colunismo social televisivo no Brasil. No ar há mais de 40 anos ininterruptos, Amaury considera que o Brasil não tem mais conteúdo para abastecer uma atração diária, cujo DNA são eventos, festas e notícias extraídas desses eventos.

Mucha ostentação

Ao contrário dos bons tempos, o colunista lembra que não ocorrem mais festas importantes todos os dias: “Hoje são duas ou três por mês e, mesmo assim, são eventos com objetivos comerciais”. Antes, segundo ele, as pessoas tinham o prazer de ostentar: “Quem não tinha dinheiro gostava de dizer que tinha. E quem tinha gostava de dizer que tinha muito mais. Hoje é o contrário. Além do mais, por diversos motivos, o Brasil ficou perigoso para exposições excessivas”.

Mole doce vida

Parodiando a comédia de TV “Minha nada mole vida”, diria que a vida aqui do repórter regional não é nada mole como a do seriado que rolou na Globo. E que também comunga com as lamúrias do nosso inspirador e parceiro. Idem às criticas, que “só enxergam os goles que tomo e não os tombos que levo”.

Vida doce mole

Com 63 anos nas costas, 30 deles nesta estrada, sob sol ou chuva, saúde ou não, altos e baixos da economia, o certo é que a bicicleta exige fortes pedaladas para não cair. Por isto mesmo, foco na qualidade de nosso trabalho, aqui e na telinha, sem perder a essência do colunismo social, que é o de mostrar quem faz e acontece, inclusive para necessitados.

Curtas & Finas

* Se no retrovisor ficaram as festas de arromba de debutantes, casamentos, eventos empresariais e outros exibicionismos, paciência, a vida segue com gente, talentos e empresas que constroem um Brasil novo.

Estes sempre merecerão flashes. Idem aos amigos do peito, alheios aos mesmos, mas que valorizam você pelo que é e não pelo que representa.

Daí, como no trabalho, o nosso prazer de atender convites diversos e compartilhar o raro prazer da boa companhia daqueles que estreitamos laços nesta passagem.

* Paralelamente ao reinício de seu programa, Amaury Jr. está envolto num projeto de televisão em Orlando pautado na divulgação do Brasil.

Local que mantém uma casa há 22 anos, diz que se trata da cidade que se transformou no mais importante centro de entretenimento do mundo, e que, por lá, se sente mais seguro do que aqui.

* Isabel e Herwig Gangl recebem, amanhã, convidados e imprensa para o lançamento das latas da Krug Bier. Às 19h, no Restaurante Esopo.

* Parabéns ao presidente Sérgio Leite e toda a equipe da Usiminas, que fecharam o ano de 2018 registrando um lucro de R$ 829 milhões, com crescimento de 163% em relação ao ano anterior.